Argentina: 2697 casamentos de gays e lésbicas num ano.



Após um ano, a Argentina, primeiro país latino-americano a aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, já teve um total de 2.697 uniões homoafetivas. Deste total, 60% foram homens. Os dados foram divulgados pela Federação de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans da Argentina (FALGBT).
O casamento entre pessoas do mesmo sexo, foi aprovado na Argentina em uma histórica sessão do Congresso, que ocorreu em 15 de julho de 2010. Após várias horas de debate, o Senado aprovou o projeto de lei com 33 votos a favor, 27 contra e 3 abstenções. Argentina se tornou o 15 º país do mundo a conceder esse direito.
Na Argentina, existem 2,4 milhões cidadãos gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, o equivalente a seis por cento da população (40 milhões), o que significa que um por cento dos membros da comunidade gay se casaram após a promulgação da lei.
A Argentina, cuja Constituição reconhece o catolicismo como religião, "deu um passo muito positivo pela igualdade de direitos, mas a lei não aborda a discriminação: Há muito a fazer", disse o líder da associação, Stephen Paulon.
"Houveram casais que foram impedidos de renovar concessões ou demitidos do trabalho quando anunciaram seu casamento, e há também aqueles que receberam ameaças", lamentou Stephen.
Paulon considera que o montante do casamento gay no primeiro ano da promulgação da legislação na Argentina "não é alto nem baixo, mas similar" em comparação com o que aconteceu na Espanha e outros países onde existem leis semelhantes.

"É um grande motivo de celebração, após um ano desde a aprovação da lei, marcando um caminho para a plena cidadania, igualdade e democracia para todos", disse Pedro Paradiso Sottile, secretário e coordenador da Área Jurídica da "Comunidade Homossexual Argentina" (CHA).
Paradiso, que também é secretário para a América Latina e Caribe da Associação Internacional da Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo (ILGA), disse que, "a Argentina é a melhor quando se trata de uma sociedade mais digna, quando a questão é respeitar e garantir os direitos humanos sem discriminação".
Apesar de reconhecer o progresso, as organizações gays alertam que ainda há questões pendentes.
Por exemplo, casais do mesmo sexo com crianças nascidas antes da promulgação da lei, não podem registra-las com o sobrenome de ambos. Alguns casais já conseguiram esse direito via tribunal, mas as organizações entendem que isso deveria ser regra, não exceção.

Postagens mais visitadas deste blog

Edital de Seleção de Participante I Seminário Nacional de Jovens Lideranças para o Controle Social do SUS no âmbito do HIV/Aids

Confira as 100 pessoas selecionadas para o I Seminário Nacional de Jovens Lideranças

Lista de pessoas selecionadas atualizadas